Gentoo Linux: Aventura

 

Há já alguns anos que uso Linux. Linux é simplesmente fantástico e não trocaria por nada deste mundo. Foi uma aventura começar e todos os dias é uma aventura nova, tentando sempre descobrir novas e melhores formas de fazer as coisas, desde os scripts em bash e aos crontabs, até à criação de um DVD. O que me leva a gostar ainda mais de trabalhar em Linux é todos os dias seguir sempre uma linha de pensamento:

 

O que pode o meu Sistema Operativo fazer hoje por mim?

Quando começei, usei RedHat, que posteriormente passou a suportar o Fedora Core, versão que usei até à 3. Quando saiu a versão 4 do Fedora Core, deixei de gostar e decidi experimentar outra distribuição. Já tinha ouvido falar no Gentoo Linux e decidi experimentar. Sabia que para um principiante de Linux era complicado (não me podia considerar um expert usando linux hà menos de 2 anos e meio), mas decidi dar-lhe uma oportunidade. Desde essa primeira tentativa e durante essa semana, devo ter instalado o Gentoo pelo menos umas 7 vezes… e atenção, que todos os pacotes são compilados! Após esse tempo de compilação, tive a minha primeira desistência…

Decidi então, experimentar uma distribuição chamada VidaLinux, que é baseada em Gentoo. Quando instalada (com os pacotes já compilados), fica já com ambiente gráfico e toda prontinha a trabalhar. Quando decidi actualizar o sistema, foi quando dei cabo de tudo novamente…

Como um cobarde, voltei novamente ao Fedora. Três dias mais tarde decidi dar uma nova oportunidade ao Gentoo. Li o manual, consultei os foruns, o Wiki e lá consegui colocar as coisas a funcionar. Até hoje, o Gentoo está sempre a funcionar e rápidamente. As coisas que me impressionaram muito foi a quantidade de documentação existente (sendo efectivamente uma das distribuições com mais documentação) e o facto de ser tudo acerca de escolhas. Quando o Gentoo pergunta como queremos, é realmente como queremos e nãoo como ele quer. Com o Gentoo, somos nós que instalamos o que queremos e configuramos como queremos e não o contrário. O controlo que o utilizador tem sobre o S.O é realmente poderoso.

Um primeiro medo sobre as pessoas que começam a usar Gentoo pela primeira vez deve ser (pelo menos comigo foi) compilar o Kernel manualmente. Inicialmente usei o Genkernel (ferramenta do Gentoo que configura e compila o kernel automaticamente), mas depois começei a ver que era muita coisa em memoria que eu nao usava e algumas opções no Kernel estavam erradas. Dei então uma oportunidade a mim mesmo e compilei o kernel manualmente.

Foi canja

O Gentoo é uma distribuição que pode meter medo inicialmente, mas quando lhe dão uma oportunidade, não se arrependem. Demora tempo a estar pronto,é verdade, mas no final é muito gratificante. Graças ao Gentoo aprendi muita coisa em Linux que não sabia. O facto de andar a compilar pacotes e a configurar quase tudo manualmente, Dá trabalho, mas aprende-se muito.

Vejam também um documento escrito por alguém que experimentou, mas que não gostou. Não é tudo um mar de rosas e o Linux é acima de tudo, escolhas!

Deixo-vos aqui alguns links do Gentoo para poderem dar uma vista de olhos e quem sabe, experimentar. Devo avisar que, o Gentoo infelizmente, mas cada vez esté melhor, nã é para principiantes ao Linux, porque podem desistir  à primeira tentativa. Tentem o Ubuntu, o Fedora Core, o openSUSE ou mesmo o Mandriva. São distribuições mais "suaves" e apropriadas para a trânsçao de windows para Linux.

Espero que se decidirem tentar, se divirtam tanto como eu!

Deixo aqui um screenshot do meu gentoo, do portatil, e dois do Gentoo que uso no hospital (o meu local de trabalho).

One thought on “Gentoo Linux: Aventura

  1. Tenho andado indeciso quanto ao Gentoo…

    Gentoo? FreeBSD?…

    De facto, o Gentoo é uma distribuição muito poderosa… e eu também instalei várias vezes o sistema, destruindo-o pouco tempo depois… voltar a instalar, e isto num ciclo indeterminado…
    Decidi fazer uma pequena pausa para ponderar a situação…

    Ora no fim… nem Gentoo, nem FreeBSD… Mac OS X fascinou-me…

    Mas nada como um dual-boot… Siga!

    Boa escolha a tua, agora já és um expert, graças ao Gentoo! (realmente, aprende-se bastante…)

    Abraço.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *