Wiithon em Caixa Mágica

Wiithon é um gestor de WBFS. Para quem não sabe, o WBFS é o sistema de ficheiros usado na Wii. Isto permite criar backups dos nosso jogos para a Wii e jogar com os mesmos em vez dos originais, para os preservarmos.

O Wiithon por defeito existe para Ubuntu, mas como é feito em Linux, podemos agarrar no código fonte e compilar nós mesmos. Que no caso do Wiithon, não é complicado.

Vamos buscar o código fonte do Wiithon à página do launchpad, que é um repositório de código Open Source.

O launchpad é baseado no Bazaar, que é um gestor de software, tal como o subversion, o CVS e o GIT. Temos que o instalar na nossa máquina.

Abram uma consola, ou usem o Synaptic e instalem o Bazaar.

apt-get install bzr

A partir deste momento, já temos o bazaar e já podemos ir buscar o código.

Na consola (já não têm que ser root – para já) e executem:

bzr branch lp:wiithon

Agora, o bzr vai descarregar o código. Quando terminar, teremos uma directoria chamada wiithon.

Antes de podermos compilar, temos que nos certificar que temos todas as dependências necessárias.

Segundo a página, estas são os pacotes que temos que ter instalados:

  • libc6 (>= 2.4), libc6-dev (>= 2.4), python (>= 2.5)
  • gcc-multilib (>= 4.4) [solo para amd64] (no Caixa Mágica a 64bits este pacote não se encontra. De qualquer forma, não é necessário. O GCC normal serve perfeitamente.
  • python-sqlalchemy (>= 0.4)
  • imagemagick
  • gnome-icon-theme
  • libgtk2.0-0 (>= 2.16), python-gtk2 (>= 2.16), python-glade2 (>= 2.16)
  • python-libxml2
  • unzip

Para procurar algum pacote, usem as palavras mais relevantes, pois em CM alguns dos pacotes não têm as mesmas designações

Procurar pelo python-sqlalchemy:

apt-cache search alchemy

python-sqlalchemy - SQL toolkit and object relational mapper for Python
python-elixir - Declarative mapper on top of SQLAlchemy

Este é o noss resultado. Para o instalar:

apt-get install  python-sqlalchemy

Desta forma, conseguem todas as dependências (alguns pacotes já devem estar instalados)

Uma vez todas as dependências resolvidas, vamos compilar.

Dentro da directoria Wiithon, devem encontrar um ficheiro chamado Makefile.

Só têm que escrever make e vai começar a diversão.

make

Assim que terminar, e sem erros, vamos instalar:

(como root)

make install

Para poderem executar o Wiithon com o vosso utilizador, têm que o adicionar ao grupo disk, para que possa manipular à vontade o disco onde vão guardar os jogos.

gpasswd -a <utilizador> disk.

Têm que terminar a sessão e voltar a entrar para que as alterações aos vossos grupos sejam activadas.

Para usarem um disco externo para os backups dos vossos jogos, têm que o formatar em FAT32 e posteriormente, com o Wiithon, converter para WBFS.

Instalar winetools em CM15

Wine é uma ferramenta fantástica para Linux. Permite-nos correr algumas aplicações de windows em Linux sem ter que recorrer aquele sistema operativo proprietário.

No entanto, a sua configuração e instalação de aplicações pode ser um pouco complicado. Felizmente, existem projectos que nos facilitam nestas tarefas.

Winetools é uma das ferramentas mais utilizadas no mundo, e é bastante robusta e eficaz.

Para o Caixa Mágica não existe um RPM. Desta forma, temos que o instalar manualmente (nada de complicado) mas que exige a instalação de algums pacotes.

O site oficial do winetools é http://www.von-thadden.de/Joachim/WineTools/, mas eu não consegui efectuar o download do winetools do site, pois dava um erro. Assim, consegui efectuar o download daqui: http://www.sfr-fresh.com/linux/misc/winetools-0.9jo-III.tar.gz/, sendo a ultima versão do winetools a 0.90jo-III.

Uma vez efectuado o download, só tem que descomprimir:

tar -zxvf winetools-0.9jo-III.tar.gz

Uma vez descomprimido, vamos até à directoria criada:

cd winetools-0.9jo-III

Agora, temos que passar para root para efectuar a instalação.

su

<password>

./install

Não liguem aos erros que dá, são totalmente inofensivos.

Antes de poder ser utilizado, alguns pacotes têm que ser instalados:

apt-get install Xdialog lib64gtk+1.2

Nesta fase, temos tudo pronto, mas o winetools usa uma versão do Xdialog que ele próprio traz, e que não funciona, dando erro que não encontra a biblioteca lib64gtk+1.2.so.0.

Vamos até /usr/local/winetools. Nesta directoria está a instalação do winetools.

Uma vez lá dentro, façam ls. Vão encontrar dois ficheiros chamados Xdialog. Um é um link simbolico para o Xdialog.builtin e o outro é o Xdialog.builtin.

Para que isto funcione, vamos apagar o Xdialog (o link simbolico), e criar um nosso para a localização do Xdialog instalada no nosso sistema.

rm -f Xdialog

ln -s /usr/bin/Xdialog

Desta forma, o winetools já vai funcionar sem problemas.

Nota: O meu sistema é amd64. Não sei se este problema tem a ver com isto ou não, mas de qualquer forma, aqui fica a correcção.

Blackberry e problemas em montar o cartão de memória em CM15 (Caixa Mágica)

O Blackberry é um telemóvel fantástico. A ligação USB permite que seja montado em Linux como um dispositivo de armazenamento. Por vezes há um problema que ele não é montado e em /var/log/messages aparecem as seguintes informações:

 

kernel: usb 1-3: new high speed USB device using ehci_hcd and address 7

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: usb 1-3: New USB device found, idVendor=0fca, idProduct=8004

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: usb 1-3: New USB device strings: Mfr=1, Product=5, SerialNumber=3

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: usb 1-3: Product: RIM Composite Device

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: usb 1-3: Manufacturer: Research In Motion

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: usb 1-3: SerialNumber: E2388D276808D284F38B1A5E1259EFDCF770D8DD

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: scsi9 : usb-storage 1-3:1.1

Nov 24 10:09:30 localhost kernel: usb 1-3: usbfs: interface 1 claimed by usb-storage while 'bcharge' sets config #1

Nov 24 10:09:31 localhost kernel: usb 1-3: reset high speed USB device using ehci_hcd and address 7

onde em vez de ser reconhecido o cartão de memória, aparece a aplicação bcharge que não permite que isso aconteça.

Isto é "um problema" com as regras de udev. Coloquei "um problema" entre parêntesis porque não é realmente um problema.

Isto torna-se simples de corrigir.

Como root, vamos remover esta regra do udev.

cd /etc/udev/rules.d

Aí, vamos encontrar um ficheiro chamado 10-blackberry.rules

É neste ficheiro que se encontra a regra que, ao colocar um blackberry, a aplicação bcharge entra em funcionamento, não deixando o cartão de memória ser reconhecido e montar correctamente.

Movemos o ficheiro para a directoria anterior (não vamos apagar o ficheiro).

mv 10-blackberry.rules ../

Posteriormente, dizemos ao udev para tornar a ler as regras.

udevadm control –reload-rules

Podem desligar o BlackBerry e tornar a ligar que o cartão de memória já vai ser reconhecido e montado automaticamente.

 

Nov 24 10:14:26 localhost kernel: usb 1-3: USB disconnect, address 7

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: usb 1-3: new high speed USB device using ehci_hcd and address 8

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: usb 1-3: New USB device found, idVendor=0fca, idProduct=8004

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: usb 1-3: New USB device strings: Mfr=1, Product=5, SerialNumber=3

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: usb 1-3: Product: RIM Composite Device

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: usb 1-3: Manufacturer: Research In Motion

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: usb 1-3: SerialNumber: E2388D276808D284F38B1A5E1259EFDCF770D8DD

Nov 24 10:14:31 localhost kernel: scsi10 : usb-storage 1-3:1.1

Nov 24 10:14:36 localhost kernel: scsi 10:0:0:0: Direct-Access     RIM      BlackBerry SD    0002 PQ: 0 ANSI: 0 CCS

Nov 24 10:14:36 localhost kernel: sd 10:0:0:0: Attached scsi generic sg2 type 0

Nov 24 10:14:36 localhost kernel: sd 10:0:0:0: [sdb] Attached SCSI removable disk

Nov 24 10:14:39 localhost kernel: sd 10:0:0:0: [sdb] 15523840 512-byte logical blocks: (7.94 GB/7.40 GiB)

Nov 24 10:14:39 localhost kernel: sd 10:0:0:0: [sdb] Assuming drive cache: write through

Nov 24 10:14:39 localhost kernel: sd 10:0:0:0: [sdb] Assuming drive cache: write through

Nov 24 10:14:39 localhost kernel: sdb: sdb1

 
Esta solução não é optima, mas funciona. O BlackBerry carrega na mesma e podemos mexer à vontade no cartão de memória.
 
Funciona para CM15, mas em qualquer outra distribuição de Linux também funcionará. Se o ficheiro não existir, basta procurarem pela palavra bcharge:
 
grep -i bcharge *
 
o -i signifca não ligar à capitalização das letras
e deverá aparecer algum resultado, como o nome do ficheiro onde se encontra:
 
10-blackberry.rules:# Note: the following rules may appear wasteful, in that bcharge is run
10-blackberry.rules:#       CONFIG_USB_SUSPEND enabled.  The second time bcharge is run
10-blackberry.rules: RUN="/usr/sbin/bcharge -p %p",
10-blackberry.rules: RUN="/usr/sbin/bcharge"
10-blackberry.rules: RUN="/usr/sbin/bcharge -p %p"
10-blackberry.rules: RUN="/usr/sbin/bcharge -p %p"
10-blackberry.rules: RUN="/usr/sbin/bcharge -p %p"
 
Assim que identificarem o ficheiro, basta move-lo para outra localização e efectuarem o reload das regras do udev.
 
 

Instalar Remmina em CM15

Remmina é uma aplicação cliente de desktop remoto, em GTK, que permite ligar-se a outros computadores por uma variedade de protocolos – VNC, RDESKTOP, NX, XDMCP – e até pode usar tuneis de SSH. É uma das melhores aplicações para administração remota que conheço.

Visitem o site do Remmina para mais informações.Remmina main window

O CM15 não tem este pacote disponivel nos repositorios. Assim, temos que o instalar nós mesmos.

Para começar, efectuamos o download do Remmina desde o site, ou vamos buscar a ultima versão do Remmina através de Subversion:

svn co https://remmina.svn.sourceforge.net/svnroot/remmina/ remmina

Antes de poder configurar e instalar, precisamos de instalar alguns pacotes na nossa box.

Segundo o site do Remmina, precisamos de alguns pacotes:

  • GTK+ 2.0 (>=2.16) required
  • libpthread for multi-threaded feature
  • libssh (>=0.4) for all SSH related feature
  • libavahi-ui for Avahi feature
  • libvte for terminal feature
  • libgcrypt for password encryption
  • libunique for managing unique process
  • (Para os Plugins)
  • FreeRDP libraries and plugins for RDP protocol
  • zlib (required by libvncclient) for VNC protocol
  • libjpeg (required by libvncclient) for VNC protocol
  • libgnutls (required by libvncclient) for VNC protocol
  • libtelepathy-glib (>= 0.9.0) for Telepathy feature
  • libssh (>=0.4) for NX protocol
  • nxproxy for NX protocol (runtime dependency only)
  • Xephyr for XDMCP protocol (runtime dependency only)
  • (Para Gnome)
  • libpanelapplet-2.0 (>= 2.20) required
  • libavahi-client for Avahi feature
  • (Para XFCE)
  • libxfce4util-1.0 (>= 4.3.99.2) required
  • libxfce4panel-1.0 (>= 4.3.99.2) required
  • libavahi-client for Avahi feature

Alguns destes já se encontram na nossa instalação do CM15, mas outros não. Precisamos de alguns pacotes de desenvolvimento. Numa consola, como root, executar:

Nota: A minha instalação é a 64bits

apt-get install apt-get install lib64gtk+-devel lib64avahi-ui-devel lib64vte-devel lib64gcrypt-devel lib64unique-devel lib64jpeg-devel lib64ssh-devel libgnutls-devel lib64vte9 lib64unique0 lib64avahi-ui1

zlib1  gnutls nxproxy x11-server-xephyr lib64avahi-client3

Estas são as dependências necessárias para o Remmina.

Agora, vamos instalar alguns pacotes necessários à compilação de ficheiros na nossa máquina.

apt-get install gcc automake libtool intltool autogen

Agora, já temos tudo o que precisamos para compilar o Remmina.

(os seguintes passos não têm que ser como root)

cd remmina/branches/0.7/remmina

Agora, executamos o autogen.sh para gerar os ficheiros de configuração

sh autogen.sh

Se tudo correu bem, teremos o ficheiro configure

Vamos configurar os pacotes

./configure

O programa de configuração vai agora procurar as dependências necessárias ao remmina.

Se tudo correu bem, no final da configuração, iremos ter o seguinte resultado:

Remmina configure result:

* NLS support: yes
* VNC support: yes
* Multi-threaded support: yes

* SSH support: yes
* Avahi support: yes
* Terminal support: yes
* Encryption support: yes
* Unique-App support: yes

(os proximos passos já têm que ser como root)

Agora, só temos que fazer make e make install

make && make install

E pronto, já temos uma das melhores aplicações de administração remota instaladas.

 

Gnome suporte

A instalação em cima já coloca os icons do Remmina no painel do gnome, mas também existe uma pasta chamada remmina-gnome que deve trazer funcionalidades em Gnome.

cd remmina/branches/0.7/remmina-gnome/

 

 

 

Vamos instalar pacotes que precisamos:

apt-get install lib64panel-applet-2-devel lib64avahi-client-devel

sh autogen.sh

./configure

No final temos o seguinte resumo:

Remmina-Gnome configure result:

* Remmina main program: yes
* NLS support: yes
* Avahi support: yes

make && make install

E já temos o suporte gnome instalado.