Quem me conhece, sabe que eu uso Linux. Hà jà alguns anos que deixei de utilizar produtos microsoft nos meus computadores e no meu dia a dia. Não digo que alguma vez não venha a utilizar profissionalmente, mas se o puder não fazer, não o faço. Pela minha escola, e pelos meus amigos, corre o boato que eu uso Linux. Quase todos os dias encontro alguém que me diz que vai começar a trabalhar com Linux e que adora Linux. Eu entro na conversa, e claro está, encorajo a que isso aconteça e ofereço sempre os meus serviços para ajudar. Voçês não imaginam quantas pessoas encontro, na minha vida profissional que, dizem que usam Linux, mas depois, é apenas para algumas coisitas de nada… O windows está lá sempre ao barulho. O que me coloca mais triste são as desculpas que as pessoas dão para não trabalharem em Linux, embora demonstrando um interesse, e grande, em trabalhar. Apresento aqui algumas das respostas mais parvas que já ouvi como desculpa para não aprenderem. Vou colocar também as minhas impressões a essas respostas, pois todas têm uma resposta da minha parte… Para piorar as coisas, estas respostas vêm da boca dos que se consideram informáticos, o que é uma vergonha para a minha classe profissional. Respostas: 1: Ah, gostava muito de aprender, mas não tenho tempo. 2: É muito difícil de aprender 3: É preciso acesso à internet para poder saber trabalhar com Linux 4: Para instalar alguma coisa, é preciso meia-hora. As respostas, sem análise prévia, até parecem válidas, mas não o são. Aprender Linux é como aprender a ler ou a escrever. A culpa disto tudo é de quem colocou um computador à frente destes neandertais. Se tivessem aprendido a trabalhar em Linux (não só em windows) desde os primeiros momentos que colocaram as patas num computador, não diziam estas coisas. As minhas respostas aquelas "perguntas/respostas primitivas" são as seguintes: Resposta 1: Para aprender Linux é preciso o mesmo tempo que para aprender windows. A aprendizagem de Linux não demora mais tempo que a aprendizagem de windows, ou aprender a cozinhar… Tudo depende da vontage e da paciência. Se à primeira as coisas não correm bem, tenta-se novamente… Quantas vezes não crashei eu o registo do meu windows a descobrir e a inventar coisas? Tudo depende da vontade disponí­vel em aprender alguma coisa nova. Resposta 2: A dificuldade em aprender alguma coisa está na resistência que se faz à mudança, ou como escrito em cima, na vontade que se tem em aprender. Quem quer ficar burro, dá respostas destas, quem quer conhecer mundos melhores e aprender novas formas (mais baratas e mais gratificantes) dá o passo em frente. O caminho para o conhecimento é tortuoso. Nunca as coisas mais rápidas foram as melhores. Resposta 3: Se existe uma coisa (além de muitas mais) que o Linux tem melhor que o windows é o sistema de ajuda. Em Linux tudo tem manual e informação disponí­vel. As directorias /usr/share/doc e /usr/local/share/doc/ têm todos os documentos que alguma vez se pode precisar. Além disto, ainda existem os comandos man comando e info comando que fornecem documentação detalhada e exemplos de como se fazem as coisas. A internet ajuda, é verdade, mas não é essencial na aprendizagem. Vontade acima de tudo. Resposta 4: A instalação de programas é coisa básica, tal como duplo clique no icon. Estes neandertais que só conhecem ficheiros executáveis por terem extensão .exe deviam ir tirar um curso de informática (meu Deus… todos eles são de cursos de informática). Em Linux, qualquer ficheiro é executável, basta um chmod +x ficheiro na sua forma mais básica, para o ficheiro ser executável. Existem ficheiros já compilados (.rpm, .deb) que poderemos chamar os famosos .exe, mas que, e agora, opinião pessoal, perdem a piada… Para todos os informáticos que, de certeza que já compilaram algum programa, por mais básico que fosse, existem os pacotes em source que são compilados na própria máquina, que de certa forma, também é uma forma de instalação, a qual fica optimizada para o computador onde está a ser compilado. Em Linux também existem programas que, com um click do rato, apresentam um ecrãn todo giro para efectuar a instalação… Para instalar programas em Linux, basta querer… Depois disto, muitos vão me deixar de falar, mas acredito que muitos mais vão querer deixar de ser ignorantes e vão querer dar o passo em frente. O que mais me espanta é que, na minha escola (e em muitas escolas superiores do paí­s) a cultura windows está a ser enraí­zada pelos incompetentes dos professores, em vez de proporem soluções opensource e/ou gratuitas aos alunos. O windows é mais simples de utilizar, mas não é daí­ a melhor forma de fazer as coisas. O Linux é tudo acerca de escolhas e liberdade para fazer o que se quer, como se quer. Em Linux, para realizar uma tarefa, existem n formas para tal, coisa que em windows, não…. Ou se faz como a microsoft quer, ou então, nada feito… Também tenho algo a dizer em relação aos fabricantes de software e hardware. A culpa do nosso país, e mundo estar assim, é em grande parte deles… Só fabricam hardware compatí­vel para windows e software para windows. Ponham os olhos na fantástica NVIDIA, cuja cultura Linux está á muito tempo enraí­zada e cujos drivers têm performance muito superiores em Linux que em windows… Claro que, não poderia terminar este texto sem dar uma palavrinha ao governo português. Governos como a Espanha, Japão, China e muitos outros, estão a deixar de lado os sistemas windows para dar lugar aos sistemas Linux… Por alguma razão há-de ser !!! Ao contrário deles, o nosso governo, cada vez mais se torna dependente da microsoft. Eu falo do que sei, e se voçês imaginassem o ministério da saúde, nomeadamente o IGIF…. São os vossos impostos (e os meus)…. Acredito que uma licença de um produto windows não custe mais que uma formação de Linux aos responsáveis e funcionários das informáticas dos hospitais… Mas pronto, muitas delas nem informáticas se podem chamar….