Hà uns bons meses comprei uma placa wireless para o meu computador de secretária. Sabia que havia algumas possi­bilidades de a placa não funcionar logo à primeira e que provávelmente teria que andar a investigar para a conseguir colocar a funcionar em Linux. Andei a pesquisar na net a saber quais eram os chipsets que eram directamente suportados por Linux, quais os que era necessário instalar drivers e quais os que não havia a mínima possibilidade de colocar a funcionar (por enquanto). Quando comprei a placa, o chipset era prism V2, que logo por azar era o que não funcionava… Na altura, a minha introdução ao mundo wireless tinha começado mal… Havia perdido a minha primeira batalha… Após muita investigação, lá consegui colocar a placa a funcionar, e muito lamentavelmente, com os drivers do windows. Mas na altura era o que havia… Ao colocar a placa a funcionar daquele modo, não podia fazer muitas das coisas para as quais tinha comprado a placa: sniffing (modo promí­scuo) e ad-hoc (fazer de access point). Quando vi que a placa nunca iria funcionar em Linux tão cedo, ofereci ao meu irmão (que a colocou logo a funcionar – windows) e comprei outra, desta vez com chipset atheros, que tem suporte directo em Linux. A partir daí­ começei a ver outro mundo e tinha ganho a batalha! Entre a compra da primeira placa e a aquisição da segunda passaram-se cerca de 2 meses, os quais passei a desesperar e a confirmar ideias que já tinha. A culpa do windows ser mais utilizado é em grande parte culpa dos fabricantes. Quando compram software () e hardware, de certeza que já repararam que um simbolo do windows vem sempre na caixa, apesar de toda a gente já saber que aquilo vai funcionar em windows sem sombra de dúvidas. O que o hardware não trás é um autocolante com um simbolo de Linux (seja qual ele for) a dizer que funciona naquele sistema operativo, quando na verdade o hardware funciona, e bem. Vejamos o caso das impressoras HP. As impressoras HP funcionam em Linux, e os drivers são fornecidos pela própria HP, e esta nunca meteu nas caixas das impressoras a dizer que funciona em Linux, e os CDs com os drivers não contemplam Linux, apesar de a HP ter um site onde os tem para todos os Linux, bem como tutoriais de como instalar e configurar… Como a HP, existem muitos… No caso das placas gráficas, a NVIDIA, também tem drivers para Linux há muitos anos, e funcionam muito bem e a NVIDIA é um caso de sucesso. Os drivers Linux para as placas gráficas têm performances superiores aos seus semelhantes para windows. Uma placa gráfica num computador com ambos os sistemas operativos tem melhor performance em Linux que em windows, e isso está provado. O grande problema do Linux são os fabricantes de hardware que, das duas uma – Ou o hardware funciona em Linux e o fabricante não faz referência a isso (e apesar de fornecer todo o suporte para tal) ou então o fabricante não quer saber e aquilo tem dois caminhos: Ou não funciona mesmo, ou então existe uma comunidade de utilizadores que compraram e desenvolveram drivers para que possa funcionar em Linux. Infelizmente, este é  o mundo informático que temos, e se não houver uma alteração radical de mentalidade por parte dos fabricantes (ou pressão por parte da comunidade Linux) não vamos andar para a frente. Eu acredito que, dentro de 5 anos, 10 anos no máximo, o Linux esteja instalado em muitos computadores pessoais, e que a escolha dos utilizadores será Linux, pois a sua robustez, performance e segurança irá fazer com que os utilizadores vejam as vantagens de um sistema em relação ao outro.
PS: Eu não tenho nada contra o Sr. Bill Gates, acho o homem, acima de tudo, muito inteligente, mas tenho contra a política enganadora da microsoft e dos fabricantes de hardware.